Archive for the ‘África do Sul’ Category

Intercâmbio na África do Sul é tema de palestra gratuita na próxima terça!

14 de setembro de 2012 | Postado por Marina em África do Sul

Olá Viajantes!! tudo bom?!

Já fiz um post aqui falando de como sou apaixonada pela África do Sul, lembram?! (leia aqui)

Bom, o post de hoje é, na verdade, um convite para uma palestra que farei em parceria com o Edgard Vallois do grupo LAL School de Cape Town. O evento acontece na próxima terça-feira, 18 de Setembro, na Cultura Inglesa de Olinda!

Pensando em fazer intercâmbio na África do Sul?! Esperamos você lá! 🙂

Inscreva-se diretamente na Cultura Inglesa de Olinda no telefone: 3432-5444

 

 

Vídeo: Você já pensou em fazer intercâmbio em Malta ou na África do Sul?!

07 de novembro de 2011 | Postado por Marina em África do Sul

Você já pensou em fazer intercâmbio em Malta ou na África do Sul?! A Michelle recomenda e conta para a gente o porquê!

Para quem quer “fugir do lugar comum”, gosta de praia e quer apostar em um destino europeu exótico, com menos brasileiros e que não exige visto para uma permanência de até 3 meses, Malta pode ser uma ótima pedida!

 Já para quem quer explorar o continente africano, viver na cidade do cabo (ou cape town), eleita a sexta cidade mais bonita  do mundo (de acordo com o Guiness Book) e ter um custo de vida mais barato do que o Brasil, um intercâmbio na África do Sul pode ser uma excelente opção! Leia a post sobre minha viagem à Africa do Sul! Amei e recomendo!

Hoje teremos o nosso segundo post em formato de vídeo! Aproveitamos a visita da  Michelle Bailey (representante a escola de idiomas LAL presente em Malta e em Cape Town) aqui em Recife para bater um papo rápido com ela e saber os highlights de cada um destes dois destino! Enjoy!

Dúvidas?! Pode comentar aqui que a gente responde!

Bjs e até a próxima viagem!

Marina.

Intercâmbio na África do Sul

03 de maio de 2010 | Postado por Marina em África do Sul

 Intercâmbio na África do Sul

 A África do Sul está na moda! Os olhos do mundo estão voltados  para o país que vai receber equipes dos melhores times de futebol para a COPA 2010!

 Tive a oportunidade de conhecer este país de contrastes, belezas naturais e de muita energia positiva em 2006, quando passei 15 dias viajando pela costa sul-africana.

 Minhas expectativas, confesso, não eram das melhores, havia ouvido falar que se tratava de um país perigoso, com resquícios de uma segregação racial e problemas de violência.

 No entanto, quando a minha amiga Márcia me ligou de São Paulo dizendo: “Semana que vem vou para a África do Sul, vamos?” Quando respondi que queria ir, mas que queria saber mais da viagem, ela me falou:“Má, não dá tempo de te explicar, mas vai ser muito legal, estamos em um grupo de 10 pessoas, toma a vacina de febre amarela que já vou confirmar o seu lugar” Então tá! Como não deu nem tempo de sentir frio na barriga, quando me dei conta, já estava sentada no avião da South African Airlines rumo a Johannesburgo.

 Chegando a Johannesburgo, seguimos de van para a nossa primeira parada: Acampamento no Krueger Park. Ao chegar à reserva, o responsável nos entregou um termo para assinarmos. Todos estavam exaustos e simplesmente assinaram, pois queriam ir logo para as suas tendas e descansar um pouco. Eu, como sempre, inventei de ler antes de assinar e depois me perguntei se foi a melhor coisa a fazer! Explico:o documento dizia nas mais claras palavras que: estávamos dentro de uma reserva de animais selvagens e se fóssemos atacados ou comidos por um meigo leão ou um simpático tigre, tudo bem, não era responsabilidade do camping afinal, quem mandou a gente se meter ali certo?

 Minha amiga Márcia começou a ficar com uma pontinha de arrependimento, mas o que a gente poderia fazer aquela altura? Decidimos que íamos aproveitar e ficar todos  juntos nessa parada!

Eis que chega a hora de tomar banho, minha companheira de tenda, a Márcia, já estava um pouco assustada com a simplicidade do camping e do banheiro, mas antes que escurecesse, ela havia resolvido tomar um banho, quando abriu a mala, ela descobriu que havia pego a mala errada! A mala que estava em nossa tenda era, na verdade, de uma pobre canadense chamada Emily que,  aquela altura,  também havia ficado com a roupa do corpo. Poor Emily! Mas de fato, não havia muito a ser feito além de telefonar para o aeroporto e avisar que só estaríamos de volta a Johannesburgo em 48 horas pois, ainda ficaríamos por dois dias ali então, depois de muita novela, todos acabaram emprestando alguma coisa para a Márcia mas ela não ficou muito feliz com o ocorrido. Viagem é assim mesmo, podem acontecer imprevistos, fazer o que né?

Jantamos todos ao redor de uma fogueira um delicioso churrasco de carne de empala, apesar de exótico, assumo que estava bem gostoso. No entanto, antes de dormir, como a Márcia quase não tinha comido, ela disse que estava com fome e eu disse que achava que tinha um sanduíche de queijo na bolsa, mas foi aí que, no meio da savana africana, em uma tenda e com uma lanterna na mão Márcia disse que sua fome era grande, mas que ela estava com vontade de comer queijo brie com geléia de damasco, pode? Quase morri de rir!

Enfim, esta longa noite não acaba por aí, Márcia ainda estava com medo de que um leão nos atacasse e não me deixava dormir, pedia para eu ficar  acordada conversando. De tanto que ela falou, acabei pegando no sono e tive um pesadelo de que vinha um tigre em minha direção foi aí que gritei: AHHHHHHHHHHHHHHHHH! Em voz alta! Aí Márcia acordou desesperada e gritou também AHHHHHHHHHHHH!. Eu perguntei por que ela tinha gritado e ela disse que gritou por que eu havia gritado. Esclarecido o pesadelo, acabei tendo outra crise de riso e decidir ir ao banheiro que ficava a uns 5 minutos andando, de lanterna da tenda. Depois de muito debatermos, decidimos que era melhor eu fazer xixi ao lado da tenda enquanto Márcia estava dentro da tenda mirando minha cara com a lanterna para se certificar que não ficaria sozinha;

 Depois de uma longa noite, o dia amanheceu e aí todos tomamos café para irmos para o nosso safári ver elefantes, girafas, búfalos e tudo o que estivesse ao alcance das nossas vistas.

 Foi um dia longo e à noite fizemos outro safári, desta vez o noturno onde pudemos ver ainda outros animais, aí, mudamos de acomodação para um Lodge (uma espécie de pousada) que, comparada a nossa última noite estava realmente chiquérrima!

 No dia seguinte, seguimos viagem para a cidade de Durban. Considerada o Playground dos Sul-africanos pelos belos dias de sol o ano todo. Durban é formada por uma população africana e indiana em partes iguais, possui um dos melhores climas do país e excelentes praias de surf. Lá, visitamos uma tribo Zulu e pudemos conhecer um pouco do dia a dia destas pessoas simpáticas e alegres.

 Na seqüência, fomos a Port Elizabeth onde pegamos uma van para conhecer Jeffreys Bay ( ou J´Bay para os íntimos). O lugar é muito astral! Uma vibe bem relax, meio Porto de Galinhas/Maracaípe. Lá,  tivemos aulas de surf! A água estava um gelo e, quando me falaram de tubarões brancos, pelas redondezas, desta vez concordei com a Márcia e resolvi ficar só na aula teórica da areia e aproveitei para me bronzear um pouco.

 Seguindo pela costa no sentido Cape Town, passamos por uma reserva de Elefantes órfãos muito fofos, além do lugar onde tem o maior pulo de bungee jumping do mundo. Não, eu não tive coragem de pular!

 Chegamos à cidade do Cabo onde passaríamos três dias. A cidade é linda, lembra o Rio de Janeiro. É também uma cidade relativamente segura e com uma população de imigrantes europeus (holandeses e ingleses principalmente) bem como, a população africana nativa. O cabo da boa esperança fica bem pertinho. Olha aí uma foto da turma toda!

 A África do sul tem 11 idiomas oficiais, mas todo mundo fala inglês. Por este motivo, é possível fazer intercâmbio na cidade do Cabo (Cape Town) e certamente, a experiência será fantástica. O custo de vida é barato, se gasta menos do que o Brasil, pois com R$ 1 compramos cerca de três Rends (moeda do país). Os táxis são baratos, o vinho é maravilhoso e as pessoas extremamente simpáticas e receptivas. A comida é saborosa e lembra um pouco a nossa. O restaurante Mamma África é uma boa pedida na cidade.

Para quem quer ficar acomodada na própria escola, a Instituição CCC é uma boa opção. Além disso, esta escola também oferece estágios não remunerados com animais em extinção ou prestando serviços para ajudar a população carente. Já quem prefere ficar em casa de família, a Instituição Eurocentres também atende muito bem.

Vale lembrar que a duração destes cursos de inglês é de a partir de duas semanas ou seja, você pode encaixar tranquilamente em suas próximas férias e fazer uma viagem cultural para a Africa do Sul e ainda voltar com um diploma para o Brasil.

 Enfim, a África do Sul me surpreendeu (positivamente) em todos os aspectos. Realmente não achei perigoso, adorei os rostos, as cores e os ritmos que ouvi. Recomendo demais esta experiência a todos que queiram conhecer e se encantar pelos mistérios e belezas deste país que às vezes parece exótico mas, ao mesmo tempo parece tão familiar.

Bjs e até a próxima viagem!

Marina

contato@marinamotta.com.br