10 coisas que você deve prestar atenção quando estiver pesquisando um Intercâmbio:

06 de junho de 2012 | Postado por Marina em Casa de Família x Outras Acomodações

Olá viajantes!

Tudo bem?!

Tenho recebido muitos e-mails sobre inseguranças relacionadas a  escolha da melhor escola e do melhor intercâmbio. Sendo assim, este post busca fornecer algumas dicas para ajudá-los neste processo que, de início parece complicado mas, acredite, observando alguns principais pontos, nem é tão complexo  assim…

Dica 1) Evite escolher a escola levando SOMENTE em consideração o preço final. Assim como aqui no Brasil, no exterior, têm escolas e escolas, universidades e universidades. Diferenças grandes de valor podem, muitas vezes, também determinar uma diferença enorme de qualidade dos professores, estrutura física e reconhecimento do seu diploma no retorno ao Brasil. Existem escolas em países como Inglaterra, Irlanda ou Austrália (que permitem que o estudante trabalhe com o visto de estudante) que possuem uma gama de escolas que estão na lista negra da imigração, ou seja, sabe-se que são apenas formas de entrar no país com o visto de estudante para poder trabalhar e estas têm pouco ou nenhum comprometimento com a real evolução do aluno no idioma. Nesse aspecto, o barato pode sair caro e escolas sem reputação podem até mesmo representar um entrave na sua entrada no país.

Dica 2) Verifique a carga horária com atenção e compare a quantidade de horas e não de aulas. Explico: Algumas escolas utilizam nomenclaturas como intensive, basic, standard para diferenciar os cursos que, por sua vez, variam muitas vezes em relação a carga horária. Acontece que 1 hora/ aula pode varias de 45 a 60 minutos (dependendo da escola) então às vezes uma carga horária de 30 aulas semanais, pode, na verdade, ser equivalente a pouco mais de 20 horas semanais.

Dica 3) Procure saber sobre quantidade de alunos por turma. Nada é por acaso. Enquanto algumas escolas vão limitar a quantidade de alunos por sala a oito ou dez alunos, outros não terão esse limite e, uma sala de aula com mais de 30 alunos pode representar menor aproveitamento das aulas.

Dica 4) Informe-se sobre mix de nacionalidades. As escolas sérias limitarão a no máximo 20% a 25% de cada nacionalidade. Isso é um fator crucial para ajudá-lo a falar menos a sua língua materna e poder efetivamente ter uma troca cultural com outras nacionalidades e evoluir no aprendizado do idioma. Algumas escolas na Oceania (Austrália e Nova Zelândia) pela proximidade com a Ásia podem ter 90% de chineses, por exemplo. Outras escolas no Canadá, por sua vez, podem ter 60% de brasileiros. Isso, com certeza, pode causar interferência na evolução de alguns destes alunos, pois será muito difícil se desvencilhar de seu idioma materno e, naturalmente, os alunos irão agrupar-se em pequenos guetos falando apenas seu idioma.

Dica 5) Certifique-se sobre qual tipo de acomodação melhor atende ao seu perfil. Casas de família normalmente possibilitarão maior contato com os nativos daquele país, porém é preciso ter mais flexibilidade para adaptar-se a regras ali estabelecidas em relação a horário das refeições e regras de convivência. Residências estudantis ou apartamentos compartilhados com outros estudantes propõem uma integração maior com outros estudantes de outras nacionalidades. Os alunos possuem mais liberdade, porém o nível do idioma destes estudantes pode variar bastante então nem sempre serão as melhores formas de praticar o idioma fora da sala de aula uma vez que a grande maioria estará na mesma situação que você, está lá para aprender ou aperfeiçoar outro idioma. Por fim, para aqueles alunos que estão dispostos a investir mais em acomodação em busca de maior privacidade e conforto (em especial, casais e executivos) podem optar por acomodações em flats ou hotéis. Lembrando que esta opção costuma custar, normalmente 60% a mais do que, por exemplo, uma casa de família no entanto, assim como as residências estudantis, costumam ficar localizadas mais próximas à escola.

Dica 6) Considere sempre a chance de você ter problema de saúde ou imprevisto que lhe impeça de viajar. Não deixe de checar isso antes de realizar o primeiro pagamento. (normalmente ao final do contrato de prestação de serviço entre a agência de intercâmbio e o estudante é possível ver as regras de cancelamento daquela escola). As multas de cancelamento para um prazo de 15 dias antes do início do curso costumam ser mais brandas do que se cancelado aos 45 minutos do segundo tempo, ou seja, na véspera da viagem. Sendo assim, se realmente não for conseguir viajar, tente cancelar o quanto antes, pois assim, as multas retidas costumam apenas envolver as taxas de matrícula. Cancelamentos em cima da hora podem representar multas maiores, como, por exemplo, o equivalente a uma semana de curso e de acomodação (além das taxas de matrícula).

Dica 7) Informe-se sobre os benefícios oferecidos para quem está indo estudar no exterior. Alguns exemplos: Pessoas de 34 anos fazendo um curso no exterior de, no mínimo, duas semanas, têm direito a uma tarifa com desconto para estudante em várias cias aéreas. Se estiver estudando no Brasil ou, fazendo um curso no exterior de no mínimo três meses, é possível tirar a sua carteira internacional do estudante e obter descontos em vários estabelecimentos no Brasil e no mundo. Além disso, se você pretende fazer mochilão na Europa, por exemplo, é possível tirar, ainda no Brasil, uma carteira internacional de albergue para ter descontos em acomodações deste tipo em todo o mundo.

Dica 8) Quando estiver pesquisando sua assistência médica internacional (obrigatória para a maioria dos países da Europa, por exemplo) não deixe de checar duas coisas: cobertura e sistema de utilização. Algumas assistências médicas internacionais possuem uma cobertura baixíssima. Não abra mão de uma cobertura de no mínimo EUR 30.000 (ou USD 50.000) e, dê preferência aos planos que não se restrinjam a uma rede específica de hospitais ou que trabalhem apenas com sistema de reembolso para internação e enfermidades. Ou seja, o ideal é que o plano tenha parceria com todos os hospitais e permita que o seu atendimento seja sem pagamento de algum valor mesmo que seja possível solicitar reembolso ao retorno no Brasil. Exceção são medicamentos prescritos pelo médico que costumam ser por sistema de reembolso, porém são normalmente bem mais baratos do que despesas com hospitais, por exemplo.

Dica 9) Como você vai se locomover do aeroporto para a sua acomodação? Se for menor de idade, recomenda-se contratar um traslado e, assim sendo, quando chegar ao seu destino final, terá uma pessoa com uma plaquinha com seu nome lhe aguardando no desembarque para lhe levar ao seu destino. Se for maior de idade, pode optar se vai ou não querer o traslado. Como é um serviço que costuma custar um pouco mais caro do que um taxi, por exemplo, se quiser economizar, pegar um taxi pode ser mais barato e, se quiser uma opção ainda mais econômica, muitos aeroportos são interligados a transportes públicos (ônibus ou metrô) onde, é possível, muito facilmente chegar ao centro ou diretamente ao seu destino final.

Dica 10) Por fim, converse com pessoas que já foram para a escola, país e tipo de acomodação que você está pesquisando. Isso pode ajudar, e muito, para que a sua decisão deixe pouca ou nenhuma margem para decepções ou escolhas erradas.

Bjs e até a próxima viagem!

Marina

  1. Marina, uma dúvida.

    Eu quero muito estudar ingles, mas precisa ser em um lugar onde eu possa trabalhar, pois meus pais nao tem condições de me bancar.
    AO mesmo tempo, quero ir para uma boa escola (que tenha um bom preço).

    Que cidade e que escola vc recomendaria?

    Abs,

    Melissa.


  2. Oi Melissa! tudo bem?! Seria interessante você optar por uma escola que tenha um programa de trabalho combinado ou, um país que permita que você trabalhe legalmente com visto de estudante. Também existe uma opção que tem um preço super competitivo que é o programa AU PAIR que é um programa de 1 ano nos EUA para você estudar inglês e trabalhar com crianças em uma casa de família americana. Essa opção certamente será mais viável financeiramente do que qualquer outra. Bjs Marina


  3. Países de língua espanhola na América central ou do sul, qual você recomendaria?
    Bom preço, mas levando em consideração essas dicas que você apresentou.


  4. Estou na mesma situação que MARIANA


  5. ESTOU NA MESMA SITUAÇÃO QUE MARIANA, POIS QUERO FAZER UM INTERCÂMBIO MAS PRECISO TRABALHAR PARA ME BANCAR. EU QUERIA DETALHES SOBRE ESSE PLANOS!
    OBRIGADO


  6. Olá Marina,

    estou pretendendo fazer intercambio na Inglaterra próximo semestre, e preciso de sugestões para o curso de inglês lá em Londres, eu não sei de nada, e tenho muita dificuldade em aprender outra língua, qual curso você me indicaria?

    obrigada, Ana Clara


  7. Eu tinha que ter visto essas dicas ANTES de vir. Realmente são dicas de ouro, que TODOS OS ESTUDANTES QUE PRETENDEM FAZER INTERCÂMBIO deveriam ler e levar em consideração!!!
    Parabéns, Marina!!!


  8. Oi Suanny! tudo bem?! A Argentina tem um custo x benefício excelente! Bjs


  9. Oi Ana Clara! Tudo bem?! Tem alguns posts sobre Inglaterra aqui no blog com algumas sugestões de escolas também! Dá uma olhadinha 🙂


  10. Obrigada! Bjs


  11. Oi Marina, tudo bem?
    Estou para fechar um intercâmbio de 7 meses na Austrália e estou com uma grande dúvida com relação ao seguro saúde.
    Devo fechar um seguro particular, além do OSHC? Ou esse seguro obrigatório é suficiente? Super obrigada desde já!


  12. Oi Renata! tudo bem? O OSHC é válido em todo o território australiano para a rede pública como se você fosse australiana. Se quiser ter acesso a hospitais particulares e também cobertura fora da austrália você pode de forma complementar contratar uma assistência médica internacional a parte. Fica muito a critério do viajante, não é obrigatório, é opcional. Você é de qual cidade?! Bjs


  13. Olá, Marina. Boa Tarde. Gostaria de obter informações sobre quais paises que aceitam estudantes também para trabalho. Pois estou querendo fazer intercambio de 6 meses e 6 meses de trabalho. Obrigado.


  14. Oi Clovis, tudo bem?! Inglaterra,Irlanda, Austrália e Canadá possuem opções que podem combinar estudo e trabalho!


  15. Oi Marina,
    Obrigada pelo retorno e parabéns pelo blog!
    Sou de São Paulo capital. Estou com dúvidas com relação ao seguro viagem, pois algumas agências dizem ser suficiente o OSHC e outras dizem não ser, por não ser completa e funcionar por sistema de reembolso que nunca é de 100%. Não sei se estão querendo vender um serviço desnecessário, que aliás é bem caro! Estar resguardada quanto à saúde é uma grande preocupação minha…


  16. Marina, eu queria mais informações sobre intercâmbios no Canadá! Se lá é realmente o melhor lugar, fora dos EUA, para aprender inglês em pouco tempo. Fiz curso de inglês, mas, preciso da prática, e gostaria de um lugar para intercâmbio que fosse mais barato e conseguisse a prática em pouco tempo, pois, não posso passar mais de 03 meses no exterior.


  17. Oi Marina! Gostaria de informações sobre intercambio na Austrália. Gostaria de estudar inglês e trabalhar… Você teria alguma empresa confiável para me recomendar? Obrigada! e parabéns pelo site e livro! ;*


  18. Olá, Marina. Td bem! Muito bacana o post.
    Se puder me tirar uma duvida ficarei muito feliz: estou em duvida entre Irlanda e Austrália (posso trabalhar). O preço da Irlanda é mais atraente. na sua opinião é uma boa ou vale mais a pena escolher a Austrália.
    Outra coisa que tem me deixado confuso é com relação a escolha da escola, você sabe de algum lugar em que eu consiga obter informações que tratam especificamente deste assunto?
    Abraço


  19. Oi Cristiano! tudo bom?! São países extremamente distintos. A maior vantagem da Irlanda, na minha opinião é estar na Europa o que permite que você viaje bastante e conheça muitos países além de é claro, muita cultura, museus etc… No entanto, o clima é mais frio e chuvoso. Já a Austrália tem um clima mais tropical e a sua localização permite conhecer países do sudeste asiático e nova zelândia. Se você gosta de esportes radicais tem muita coisa pra fazer na Austrália. Tanto os irlandeses quanto os australianos são super receptivos! Boa Viagem Abs! Marina


  20. Mariana, eu e minha esposa estamos pensando em ir fazer intercabio ou na Inglaterra ou no Canadá tenho 28 anos ela tem 24 anos estamos pensando em viajar agora no meio do ano, e gostariamos de fazer um intercambio com duração de 1 ano, como queremos ter mais privacidade por se tratar de um casal gostaria de saber que se a gente ficar em um flat ou hotel quanto mais ou menos eu gastaria se chegaria proximo dos R$ 180.000 mil reais ou esse valor é muito alto estamos querendo ir só p estudar n queremos trabalhar por lá nao, vc acha q esse valor da? ou é pouco ou já é d++ esse valor?


  21. Oi Marina!

    Vou pra Londres em Julho deste ano para fazer um curso de ingles por uma semana. Para isso, fui me informar sobre o ‘student visitor visa’. Li que é um visto que se obtém no momento em que se chega à Londres, no próprio aeroporto, apresentando os devidos documentos. Entretanto, me disseram que é possível adquirir este visto com antecedência, ou seja, aqui mesmo no BR! O problema é que não encontro muitas informações que realmente me esclareçam COMO adquirir este visto antecipado. Só vejo de vistos para estudantes que pretendem ficar mais de 6 meses em algum curso, o que não é o meu caso. Estou realmente confusa se é possível, ou não. Poderia me ajudar?

    Beijoss!


  22. Olá Marina tudo bem?
    Pretendo comprar seu livro. Vou para San Diego dia 10 de abril, sim ja está chegando! Estou super animada, pois foi dificil de convencer minha mae, ela é muito protetora. Vai eu e a cunhada da minha irma, eu ja tenho uma base do ingles e amo os EUA. Queria saber se fazer faculdade por la compensa ou nao, meu sonho na verdade é morar la, amo muito viajar depois que eu soube de voce minha vontade é de fazer o que voce fez. É isso, fazer faculdade la é aconselhavel ou nao? Obrigada ! Beijos beijos


  23. Olá Marina, li alguns posts e gostei muito das suas dicas. Parabéns! Pretendo fazer um intercâmbio de 3 a 4 meses na Inglaterra, pois tenho trabalho fixo no Brasil e só posso me ausentar por esse período. Gostaria de algumas dicas de cursos para esse período entre os meses de março a junho de 2013. Obrigada!


  24. Oi Marina!
    Eu tenho 16 anos e eu gostaria de fazer um intercambio pro Canadá ou pra Alemanha, porém minha família não poderá me bancar lá, eu posso pegar visto de estudante e trabalhar normalmente?


  25. Minha filha vai fazer intercambio na Flórida, (high school) morar na casa da minha amiga. Como faço para matriculá-la na escola pública? Vc tem ideia de quanto tempo demora entre pedir a documentação no brasil traduzir, matricular e tirar o visto? Existem pessoas que vão primeiro com visto B1, B2 e lá contratam um advogado para solicitar o visto de estudante. O que vc aconselha, tirar aqui ou lá o visto de estudante?


  26. Oi, Marina,

    Estou tentando fechar um intercâmbio de três semanas para a Inglaterra, para ano que vem. Tenho receio sobre a qualidade da escola e se tudo o que a agência diz posso realmente confiar.
    Meu inglês é intermediário para a escrita, mas, para a conversação fica a desejar. Pela sua experiência, acha que em três semanas posso melhorar no meu ponto fraco e conseguir me comunicar sem grandes problemas?
    Se puder me responder por e-mail fico muito grato.


  27. Quais agências vc recomenda e fazer em Miami vale a pena ? Para aprender a língua inglesa?


  28. Olá Marina,
    Tudo bem?
    Estou pensando em fazer um intercâmbio para aperfeiçoar meu inglês, porém não sei pra onde, me disseram que o Canadá é uma boa escolha, e que as pessoas são muito educadas, porém tenho medo, e não sei qual agência e cidade escolher, poderia me ajudar?


  29. Olá, Mariana eu estou procurando agencias de au pair, será que vc poderia me informar quais são as melhores agencias e as mais confiáveis, bjos


  30. Oi Marina!
    Tenho 15 anos e gostaria de fazer um intercambio para a Espanha minha familia nao podera me bancar la , eu queria que voce me recomendasse uma escola e uma cidade comcustos baixos para fazer o intercambio ? E queria saber tambem se posso trabalhar com visto de Estudante ?

    Obrigado!


  31. Olá Marina, tenho 16 anos, sou do Ceará. Estou no segundo ano do Ensino Médio, e sonho em fazer intercâmbio, mas como minha família não tem como me manter por lá enquanto estudo, queria trabalhar. O que eu faço? Me dê sugestões.


  32. Ps. Quero ir para Argentina ou Chile.


  33. Marina, por favor me ajuda , terei apenas 4 semanas, preciso de um curso intensivo . Como escolho?


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *