Em 2015, Intercâmbio e Amazônia tem tudo a ver! Vem saber o por quê!

06 de janeiro de 2015 | Postado por Marina em Dicas de Viagem

Olá viajantes!

Feliz 2015! Tudo bom?

Você deve estar pensando: “era só o que faltava, o blog é sobre intercâmbio e lá vem Marina falar de Amazônia que está bem aqui no Brasil!” kkkk, antes que você ache que o blog mudou de rumo, explico,  recentemente tive o privilégio de conhecer a Amazonia brasileira! Tamanho foi o meu encantamento e não me impressionei ao me deparar com a informação de que o site
TripAdvisor acaba de anunciar os vencedores do Travelers’ Choice™ – Destinos em Alta para 2015, prêmio que reconhece as cidades do mundo com o maior aumento de interesse e avaliações positivas ao longo do ano. Na lista aparecem
destinos dos EUA, América do Sul, Ásia, Europa e Pacífico Sul, com destaque para Manaus, única Sul-Americana do ranking e porta de entrada para explorar a Amazonia brasileira.

Confira a lista Travelers’ Choice – Destinos em Alta: Mundo

1. Da Nang, Vietnã

2. Sihanoukville, Camboja

3. Limassol, Chipre

4. Ao Nang, Tailândia

5. Bodrum, Turquia

6. Naha, Japão

7. Hurghada, Egito

8. Kazan, Rússia

9. Manaus, Brazil

10. Eilat, Israel

E você vai me perguntar de novo, sim, mas qual é a relação disso com Intercâmbio? É a seguinte: quando você for morar um tempo fora e lhe perguntarem da onde você é, quando você responder que é “brazilian” com a aquele sorriso de orgulho existem grandes chances da próxima pergunta ser:

– Você sabe dançar samba?  (check!)

Você já foi ao Rio de Janeiro no Carnanval? (check!)

–  Você conhece a Amazônia? (Rá! acabei de dar finalmente um check neste e deixar de responder com sorriso amarelo! – no, never been there! Agora, é ” Amanzon, yes, of course”! kkkk )

Consegui te convencer? kkk Então, vamos saber mais dessa aventura super exótica dentro do nosso prório país? Sigam me os bons!

Partindo de Recife, os trajetos menos cansativos são os de uma escala e neste caso, pode-se optar por Fortaleza ou Brasília. Minha ida foi Recife/Fortaleza/Manaus e minha volta foi Manaus/Brasilia/Recife entre tempo de voo de conexões o trajeto ficou em média de 6 horas. Os voos não são baratos, com certeza você vai encontrar promoções de ocasião para destinos no Chile ou Argentina por preços mais em conta. Mas vai por mim, se puder resistir a tentação de viajar mais barato para o exterior e ficar na Amazonia desta vez você não vai se arrepender. Três dias inteiros é um tempo mínimo para ficar lá, se você quiser fazer tudo com calma. No entanto, se a ideia é combinar com uns dias em um eco-lodge no meio da selva, uma boa média é uma semana.

Meu primeiro dia começou às 8 da manha, breve passeio pela orla de Manaus (Ponte Rio Negro, bairros, centro histórico, Porto turístico, Mercado Adolfo Lisboa, porto da Manaus, praia da Ponta Negra etc.), chegamos de barco ao Encontro dos Rios Negro e Solimões também chamado de “encontro das águas”. Navegamos pela outra margem do Rio Negro e fizemos uma parada em um complexo turístico flutuante que possui criação de varias espécies de peixes, gostei, em especial da experiência de alimentar com uma espécie de pesca o conhecido peixe Pirarucu (maior peixe com escamas de água doce do mundo!), usando uma vara, barbante e um pequeno peixe que alimenta e serve de isca, mas sem usar  anzol, ou seja, dá para sentir a emoção sem machucar o peixe.

Continuamos essa aventura navegando para o parque Ecológico Janauari, no caminho passamos em outro vilarejo com construções são feitas em palafitas e conheci também a casa de uma família ribeirinha que cuidam de alguns animais domesticados de nossa fauna amazônica, como os fofos bichos preguiças, mini jacaré e cobra…

O almoço foi em um restaurante flutuante, mas antes conheci o Igapó,(areá de floresta que inunda durante parte do ano) caminhando por uma passarela de madeira suspensa com Vitórias Régias (plantas aquáticas gigantes) ao lado e depois foi o momento de seguir para a parte mais esperada do passeio, nadar e brincar com os botos cor de rosa.

Os botos, dóceis e brincalhões, depois de séculos envolvidos entre lendas e contos amazônicos, hoje através de projetos fiscalizados e de forma sustentável é possível ter essa  interação em ambiente natural dentro das normas estabelecidas por eles e com isso nos proporciona está experiência inesquecível de poder nadar com esses animais que vivem livres na natureza,

Sentindo falta de alguma coisa? Claro, Os Índios! Nenhuma viagem a Amazônia estaria completa sem isso! Visitei uma comunidade originalmente oriunda das partes mais longínquas do alto Rio Negro para conhecer um pouco seu modo de vida, assisti uma apresentação de seus rituais, usando instrumentos musicais e participei das danças tradicionais de sua cultura, e antes de sair comprar artesanato feito por esta índia que estava amamentando essa indiazinha ( comprei um lindo colar feito de açaí) – OBS: (não repare a resolução, achei linda a cena e considerei a minha foto artística do album kkkk )

No segundo dia, foi o momento de seguir para o Município de Presidente com paisagens bem parecidos com as cenas dos filmes de Jurassic Park! Floresta, rios, cachoeiras, cascatas, grutas, cavernas e cursos de sobrevivência na selva  são algumas das atrações de Presidente Figueiredo, município localizado a 107 km de Manaus. Nesse pedaço de paraíso amazônico visitei o parque Maruaga, parque corredeira do Urubui, trilhas no meio da mata, cavernas e pude tomar banho de cachoeira depois de uma caminhada de um pouco mais de 2,5 km por uma floresta de Terra. Seguindo este caminho cheguei a outro lugar fantástico, a Gruta Judeia.

Depois de um almoço regional experimentando todos os deliciosos peixes da Amazônia, na segunda parte do Passeio Visitei a APA cachoeira de Santuário uma propriedade privada que possui uma das cachoeiras maiores e mais bonita de toda essa região e ai sim pude regressar a Manaus renovada e compreendendo melhor está região tão linda.

No terceiro e ultimo dia, é o momento de explorar a parte histórica de Manaus, principalmente o teatro amazonas, o museu do seringal e também passear um pouco no shopping Manauara que é repleto de árvores por toda parte, na praça de alimentação experimente uma tapioca com tucumã ou deguste um açaí!

Se conseguir continuar mais uns dias na região (infelizmente não pude, ficará para a próxima!) passar uns 3 dias em um lodge no meio da selva é também uma experiencia e tanto! Localizada em Mamirauá, reserva florestal na várzea amazônica, a
Pousada Uacari  é um meio de hospedagem flutuante com estrutura de madeira e uso de
energia solar. O lugar contribui para a conservação dos recursos naturais ao mesmo tempo em que gera renda a comunidade do entorno. Se, por outro lado, quiser algo com ainda mais requinte, o Anavilhanas Lodge é o lugar.

Cotações de passagens, hospedagens e passeios no Amazonas ou nos 4 cantos do mundo fale com o STB/Recife 81-2123-4522 – recife@stb.com.br

Bjs
e até a próxima viagem,

Marina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *