Posts com a tag intercambio de A a Z

10 razões para fazer Intercâmbio na Austrália!

05 de dezembro de 2011 | Postado por Marina em Austrália

1) Suas cidades:

Sydney é, sem dúvida, a minha cidade favorita! É impossível não ficar de queixo caído! Se o Rio de Janeiro continua lindo…Sydney continua magnífica!  Para os que preferem uma cidade mais urbana com um clima mais frio (meio com cara de Europa) podem de identificar mais com Melbourne. Já para quem quer explorar o sudeste asiático e quer uma cidade média e “redondinha” onde tudo funciona, Perth é uma boa pedida! Já para os praieiros de plantão, GoldCoast e Sunshine Coast são o paraíso! Para os mergulhadores, Cairns e sua impressionante grande barreira de corais é primeira sem segunda!.

2) Praias
Quanto morei por 1 mês em Sydney fiquei em Bondi Beach! Algo como morar em Boa Viagem em Recife ou em Ipanema/Leblon no Rio de Janeiro mas, bem melhor. Bondi tem realmente uma vibe incrível. Para quem quiser variar, não muito longe também tem Tamarama, Bronte e Manly…Já em Gold Coast- A praia hipada é Sufers Paradise e em Sunshine Coast a Noosa Beach..No entanto, em um país como a Austrália, praia é uma coisa que não falta…Descubra a sua preferida.

3)Very backpackers friendly

Os australianos são muito low profile e não precisam de muito luxo para sentir-se bem! (um exemplo a ser seguido) O turismo acompanha isto e oferece opções excelentes  de tipos de acomodação e transporte para todos os bolsos. Além de, é claro, ser extremamente segura! Ah, e como o australiano curte água como ningúem, não precisa ficar em um hotel 5 estrelas para ter certas “facilities”  pois, a grande maioria dos albergues tem piscina!

4) Parques Nacionais
Claro que quando pensamos em Austrália, pensamos em mar, surfe, mergulho, praia…Mas o interior da Austrália também tem o seu público cativo, seja para descobrir mais a fundo a sua pérola – a cultura aborígine ou, ainda  os seus encantadores parques nacionais como – Kakadu ou Uluru-Kata Tjuta National Park . Aqui abaixo,  a arte Aborígene com seus “dots” (pontos)…

5) Poder trabalhar legalmente com visto de estudante  

Com um visto de estudante acima de 4 meses você pode trabalhar legalmente até 20 horas semanais na Austrália. Isto vai te ajudar muito na sua manutenção enquanto estiver estudando por lá! Se pensou em ir para a Flórida ou Califórnia (nos EUA), a Austrália pode ser para você! Sendo que, com a tranqüilidade de não precisar trabalhar ilegalmente. Ah,  além disso a economia do país segue de vento em popa então não precisa se preocupar em ficar desempregado como vem acontecendo em alguns países europeus…

6) Exotic Wildlife
Qual outro lugar você pode ver Canguru e Colas  e tantos outros animais de pertinho?

7)  Din – Din
O Dólar australiano é fabricado com uma espécie de papel-plástico especial e por isto é a prova d´agua!  Perfeito para ir à praia, não?!

8) Sport Addicted
Aussies  – como são chamados os Australianos são “loucos por esportes”, seja o Surf,  o Aussie Rules football, o cricket, o  rugby….Se você estiver por lá em Março, vá para Melbourne e participe do Grand Prix.

9) O Clima

Fiz um Intercâmbio de 6 meses em Vancouver e Toronto e, verdadeiramente amo o Canadá mas para quem é do Nordeste do Brasil e curte sol e praia, vamos combinar que o clima da Austrália costuma ser bem mais amigável,não é?!

10)  Educação Internacional é referência!

Imagina então passar uma temporada neste “Brasil que deu certo” seja aprendendo inglês ou fazendo uma pós, MBA etc… E, além de poder trabalhar legalmente, curtir muito e viajar por vários países ali perto como Nova Zelândia, Tailândia, Indonésia…Show, não é? Pois é, fazer um curso na Austrália pode ser mais viável do que você imagina! Vale à pena pesquisar! As opções são inúmeras!

Bjs e até a próxima viagem!

Marina.

Post em Vídeo: Inglaterra x Irlanda

30 de novembro de 2011 | Postado por admin em Inglaterra

Olá Viajantes!

Tudo bem?!

Como sempre, aproveitando a experiência de outros apaixonados pelo MUNDO e por novos destinos culturas e idiomas, hoje temos mais um post em vídeo para vocês!

Um bate papo com a Diedre Malone. Ela  que nasceu na Inglaterra mas toda a família dela é da Irlanda nos fala sobre aspectos, curiosidades e comparativos entre estes dois destinos.

A Diedre já rodou o mundo e, além de inglês ela também fala francês, espanhol e português. Ela mora na Argentina e vem sempre ao Brasil; o sotaque dela falando português é bem british. Vale a pena conferir!

Bjs e até a próxima viagem!

Marina.

Inaugurado: Pernambuco agora também tem Consulado Britânico

29 de novembro de 2011 | Postado por Marina em Inglaterra

 

Olá Viajantes!

Pernambuco já era o único Estado do Nordeste a ter Consulado Americano então, fiquei muito feliz com mais esta conquista no Estado agora com a chegada de um consulado Britânico! Abaixo as fotos e a  cobertura feita pelo Blog Social 1:

Muito prestigiado o coquetel de inauguração do Consulado Geral Britânico no Recife, na noite desta segunda (28), na Vila Ponte D’Uchoa.

A sede do Consulado Geral Britânico fica Ilha do Leite e pretende atender toda a demanda do Norte e Nordeste, já que será o único na Região.

O ministro adjunto das Relações Exteriores do Reino Unido, Jeremy Browne e o Governador Eduardo Campos também assinaram termos de cooperação na área de artes, com intercâmbio cultural,  intensificação do ensino da língua inglesa no estado já visando a Copa do Mundo.

O artista pernambucano Romero Britto doou ao consulado pintura da rainha Elisabeth, que vai ficar na entrada do novo espaço.  

Em conversa com o Social1, o diretor do Conselho Britânico, Jin Scarth, falou de como é importante uma sede do consulado em Pernambuco, uma vez que  o Estado está na mira dos grandes investidores internacionais, saindo do eixo Rio- São Paulo. Ele ainda adiantou que o Reino Unido estuda várias parcerias com o governo de Pernambuco para a Copa, 2014.

 

Neste Natal: Oh Dúvida Cruel, Aperfeiçoar o inglês ou viajar de curtição?!

28 de novembro de 2011 | Postado por Marina em Dicas de Viagem

Escolha os dois! (E depois dizem que Papai Noel não existe…)

Para quem já trabalha ou faz faculdade sabe: Passamos o ano todo esperando nossas abençoadas férias! E, quando elas finalmente chegam, vem a dúvida: Viajar para curtir e descansar ou, aproveitar o tempo disponível para aperfeiçoar o inglês que, sabemos, vem se tornando cada vez mais determinante no mercado de trabalho?! Que tal escolher os dois?! E tem como?! Claro! Aqui vai a dica: Encontrei uma alternativa que se encaixa no seu bolso, expectativa e necessidade:

Você já ouviu falar do CONTIKI? Não? Explico: Imagine um grupo de jovens apenas com idade entre 18 e 35 anos (80% anglo-saxônicos – que têm o inglês como primeiro idioma) viajando em roteiros descolados da Europa, Austrália, Nova Zelândia, Ásia e EUA e você dentro deste grupo tendo que falar inglês 24h por dia tanto com seus colegas quanto com o guia do grupo e, além do mais viajando e curtindo passeios e baladas TOP?! Bom demais não é?

A história do Contiki é bem legal também, foi um grupo de jovens da Nova Zelândia que se juntou para viajar pelo mundo e depois o negócio ficou tão profissional que hoje a central das operações fica em NY e, no Brasil como ele ainda é pouco divulgado a quantidade de brasileiros é bem pequena nos tours por isto é tão legal para quem está querendo combinar a prática do inglês com viagens pelo mundo.

 Participei de dois tours destes! Um na Austrália e outro na Califórnia (EUA) e achei TUDO DE BOM! Além de fazer amizades com nativos da língua inglesa dá para curtir muito os roteiros super organizados e, além disso, sem ser uma típica excursão (daquelas com guia e bandeirinha e com gente de todas as idades e de perfis completamente diferentes)

O Contiki é só para jovens na mesma “vibe” e querendo curtir as mesmas coisas que você! Tenho alguns amigos que combinaram duas semanas de curso de inglês em Londres + um Contiki de duas semanas viajando por toda Europa e até acharam que puderam praticar efetivamente mais o idioma durante o tour já que o dinamismo de um tour é diferente de aulas tradicionais nas escolas.

Outra coisa legal é que a quantidade de roteiros é enorme e os valores são super competitivos, muito melhor do que viajar sozinho de mochilão e deixar de aproveitar determinadas coisas por falta de informação ou direcionamento. Então, nestas férias de final de ano, nada de ficar por aqui sem ter nada para fazer e reclamando da vida…É hora de SAIR DO BRASIL e fazer você também o seu CONTIKI (www.contiki.com)

Obs: No Brasil, quem representa o Contiki é o STB! (www.stb.com.br)

Bjs e até a próxima viagem!

Marina.

 Marina Motta é autora do blog e livro www.intercambioaz.com.br)

#Dica: e-book Intercâmbio de A a Z: Carregue as dicas e experiências de Marina Motta e seus 11 intercâmbios onde for mais prático para você! No computador,celular ou tablet e fique preparado para qualquer emergência. Baixe os dois primeiros capítulos grátis do e-book em http://livro.intercambioaz.com.br

Você sabe que é spanglish? Fique por dentro em TOP 3 steps:

24 de novembro de 2011 | Postado por Marina em Aprendizado Linguas Estrangeiras

Como o próprio nome indica, é uma mistura dos idiomas espanhol e inglês (em inglês, spanish e english). Apesar de não ser uma língua reconhecida oficialmente, o spanglish é falado em várias partes dos Estados Unidos, onde a imigração latina é forte, no México e em alguns países da América do Sul, como Venezuela.

 

 A miscelânea verbal já é objeto de estudo em universidades e tema de dicionário. “A data de nascimento oficial do spanglish é a mesma da assinatura do Tratado de Guadalupe Hidalgo, em 1848, quando o México perdeu dois terços de seu território – com a população que morava nessa terra – para os Estados Unidos”, diz o lingüista Ilán Stavans, professor do primeiro curso universitário de spanglish, na Universidade de Amherst, em Massachusetts.

 A forma híbrida de comunicação envolve 3 estratégias:

 A primeira é a mistura de palavras em espanhol e inglês na mesma sentença e num vaivém constante. Algo como “me voy de vacation on the next semana” (vou sair de férias na próxima semana).

A segunda é a tradução literal de palavras e expressões, como “Te llamo para atrás” no lugar de “I’ll call you back” (retornarei sua ligação).

“A terceira é a criação de novas palavras”, afirma Stavans, que reuniu cerca de 6 mil exemplos do idioma no livro Spanglish: The Making of a New American Language (“Spanglish, a construção de uma nova língua americana”, inédito em português). Entre as pérolas, nuyorrican (porto-riquenho de Nova York), rufo (que vem de roof, “teto”) e parquear (do inglês park, “estacionar”).

Bjs e até a próxima viagem,

Marina

Fonte da matéria:  Cláudia de Castro Lima

Happy Thanksgiving Viajantes:

23 de novembro de 2011 | Postado por Marina em Curiosidades Culturais pelo Mundo

 A partir de amanha começa um feriadão muito celebrado e esperado na América do Norte – O Dia de Ação de Graças!  

Quem estiver fazendo intercâmbio nos EUA ou Canadá certamente irá vivenciar de perto esta popular celebração que, por sua vez, está diretamente relacionado a reuniões em família, peru e tortas…

O legal do Thanksgiving é que ele não está associado a uma religião, assim, todos podem comemorar e, como diz o nome Thanksgiving – esta data remete a agradecimento. Sendo assim, seu objetivo vai além de uma confraternização, ele propõe uma reflexão sobre o que você está grato em sua vida. Legal este conceito né?!

No Canada, acontece sempre na segunda segunda-feira de Outubro e, nos EUA, na última quinta-feira de Novembro.

Aqui no Brasil, não temos comemorações para Thanksgiving mas acho que seria uma boa “importarmos” esta “vibe”  de agradecer bênçãos que tivemos em nossas vidas, concordam?!

Happy Thanksgiving Everyone!!

Bjs e até a próxima viagem,

Marina

Intercâmbio exige planejamento: Saiba como poupar para realizar o sonho de estudar lá fora!

18 de novembro de 2011 | Postado por Marina em Intercâmbio Adultos e Profissionais

Investir em educação internacional sempre é um bom negócio. De acordo com especialistas de RH, além dos conhecimentos adquiridos no curso, o estudante ganha resiliência, networking a experiências únicas na convivência internacional.

 - Crédito: Thinkstock

Contudo, é preciso organizar as finanças para realizar um projeto que envolve gastos com escola, passagem aérea, alimentação e diversão. “Um ano de poupança antecipada – e exclusiva para a viagem – costuma ser suficiente”, afirma Bruno Contrera, consultor de Produtos do STB.

Para o gestor de finanças pessoais Isaac Pinsky, de São Paulo, o ideal é juntar todo o dinheiro antes e viajar depois. “O desejo nos impulsiona a planejar e a controlar as despesas diárias. Mas é preciso ter um orçamento e segui-lo criteriosamente”, diz.

A recomendação de Isaac é deixar, no máximo, duas prestações pendentes para a volta. “É bastante frustrante arcar com as contas de um sonho já realizado”, acredita.

Os cálculos e sugestões de aplicação têm como base uma renda mensal de   5000 reais e um ano de prazo para economizar. Cada faixa de renda salarial é comprometida com uma determinada quantia de contas. Para guardar um pouco por mês, Isaac Pinsky recomenda adotar a velha planilha de custos, analisando onde é possível fazer reduções e quais custos podem ser eliminados. Depois, afirma o consultor, é preciso respeitar o seu salário.

“O dinheiro tem que se transformar em um aliado das conquistas. Se um ano poupando não for o suficiente, estique os prazos da viagem”, recomenda.

Veja para onde vai o seu salário: 

 

Despesas mensais % Renda 5000 (em reais)
Alimentação 25 1250
Habitação 35 1750
Vestuário 6 300
Transporte 11 550
Higiene 3 150
Saúde 5 250
Educação 2 100
Diversão / Cultura 0,5 25
Telefone / Internet 6 300
Quanto sobra   250

* Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
Planeje sua viagem para a Inglaterra

 

Inglaterra
4 semanas de curso de inglês
Valor
Escola: Embassy CES, com aulas das 9h às 15h 1.466 libras + 288 reais (taxa de matrícula STB)
Acomodação: quarto individual em casa de família, com café da manhã e jantar 756 libras
Gastos extras: almoço (140 libras), passe de metrô (120 libras), balada / cinema / pub (320 libras)
Passagem aérea* 1.500 dólares (950 libras)
*média de preço com compra antecipada
TOTAL: 3.752 libras + 288 reais (taxa de matrícula STB)** cerca de 11.368 reais

Para concretizar esta viagem, explica Isaac Pinsky, o estudante deverá poupar 312,66 libras mensais durante um período de 12 meses. Veja algumas estratégias:

– Invista o 13º salário na compra das passagens aéreas – os descontos para reservas antecipadas chegam a 30%

– Venda suas férias e acrescente o valor do 13º salário nessa conta. Com esforço, é possível poupar cerca de 8.000 reais em um ano

– Cuidado com a tecnologia e o celular. Estabeleça um plano de banda larga e telefonia que caiba em seu novo orçamento e não abra mão dele. Ao final de 12 meses, a economia pode ultrapassar os 1.000 reais

– Um jogo na casa lotérica, o café expresso e o pão de queijo costumam desaparecem misteriosamente no radar das despesas. No entanto, eles podem custar entre 400 ou 500 reais todos os meses. Reduzindo esses gastos pela metade, ou à terça parte, ao final do ano você terá outros 2.500 a 4.000 reais para gastar em Londres

– Aplique em um fundo de investimento DI. É uma aplicação segura, costuma ter liquidez diária e remuneração um pouco superior à da poupança. Porém, seu rendimento sofre taxação de Imposto de Renda. Dessa forma, se fizer uma aplicação por um ano, você será tributado sobre os rendimentos em 20% ao resgatar o fundo até o dia 360, mas apenas 17,5% se o fizer a partir do dia 361. Isto significa uma grande diferença – fique atento!

Fonte da matéria: Alexandra Gonsalez -Revista VC/SA; foto: Thinkstock

Uma bolsa de estudos é bom, na Inglaterra, é melhor ainda! Saiba como conseguir a sua:

16 de novembro de 2011 | Postado por Marina em Bolsas de Estudo

Para quem pretende fazer uma pós-graduação ou mestrado em uma das mais de 130 universidades do Reino Unido, com despesas pagas pelo Ministério das Relações Exteriores Britânico (FCO) uma boa pedida é o programa Chevening, gerenciado pelo British Council, com as inscrições abertas de 1 de Novembro de 2011 à 3 de Fevereiro de 2012.

Brasileiros, residentes no Brasil, com planos de fazer mestrado em tempo integral com duração máxima de 12 meses, no ano letivo 2012/2013, poderão ter seus estudos custeados pelo Programa! Em torno de 20 bolsas (apenas no Brasil) serão oferecidas! 

As áreas de prioridade para concessão da bolsa Chevening são:

– Finanças e Economia

– Relações Internacionais

– Direitos Humanos

– Mudança Climática

– Desenvolvimento Sustentável e Energia

 – Resolução de Conflitos e Segurança

 – Desenvolvimento Política

 – Administração Esportiva

E, áreas do Direito relacionadas aos setores mencionados acima.

Mais informações sobre o Programa Chevening: www.chevening.org.br

#FicaDica!

Bjs e Boa Viagem!

Marina.

Quer aprender outros idiomas? Saiba quais as línguas mais fáceis e mais difíceis e o porquê?!

10 de novembro de 2011 | Postado por admin em Aprendizado Linguas Estrangeiras

Quais os idiomas são mais fáceis para um brasileiro e o que torna uma língua mais  fácil ou mais difícil?  Existem duas respostas para esta pergunta: Uma racional e outra emocional:

A técnica e racional é: Aqueles que têm mais proximidade com o português.Já a psicológica ou emocional é: Aqueles que você tem mais motivação, interesse e contato.

Mas, a pergunta que não quer calar é: Porque realmente alguns idiomas parecem (e outros verdadeiramente são) tecnicamente mais difícil que outros? E, por onde começar? (Ué, pelos mais fáceis, claro!) Então, vamos à lista:

Imaginem uma pirâmide (olha como estou metódica hoje):

Na base no plano que chamaremos de 1 colocaremos as línguas que são consideradas mais fáceis (muito parecidas em termos de estrutura e vocabulário do português): Nesta base estão espanhol e italiano.

Um pouco acima teremos um plano 2 onde ficarão as línguas latinas(que tem grande similaridade com o português) OU, que temos bastante contato (Aqui ficarão francês, romeno e inglês).

No plano 3, que chamaremos de nível médio de dificuldade, temos os idiomas que não tem origem latina mas possuem alfabeto igual ao português (Aqui estão alemão, turco, polonês e finlandês).

Quase na ponta desta pirâmide teremos os idiomas considerados difíceis, pois além de ter pouca ou nenhuma palavra semelhante ao português, possui outro alfabeto ou ideogramas e sinais difíceis de entender e memorizar. Além disso, muitas destas línguas são tonais, ou seja, o significado de uma palavra muda baseado no tempo que se leva para pronunciar as vogais… Se animou? São elas: mandarim, coreano, japonês, russo, árabe e grego!

Na pontinha desta pirâmide teremos os idiomas quase impossíveis (também chamados cientificamente de “coisa de doido”  ou “difícius pra dedéus”,) razão: Some o item anterior ao fato da pronuncia demandar estalos feitos com a língua no céu da boca. Calma! Não é um clique único padrão, são nada mais nada menos do que cerca de 20 tipos de “estalinhos” feitos com a língua que vão se adicionados às palavras. Acha que desenrola?! Então seu caminho é um intercâmbio em alguns países africanos como Botsuana e cia limitada! Já estive cara a cara com uma tribo Xhosa  em Durban na África do Sul e estes estalinhos com a língua, vai por mim, não é brinquedo não!

Bem, comigo foi bem assim: No caso do inglês, assim como muitos jovens, desde pequena fui bombardeada por músicas, filmes e a boa e velha Cultura Inglesa que me fizeram aprender  o inglês e depois aperfeiçoar em alguns intercâmbios. Sabemos que o inglês, não é muito próximo “linguisticamente” do português mas, é um idioma o qual temos bastante contato, principalmente em tempos cibernéticos…

Já com o francês foi bem diferente! Minha mãe foi professora de francês e, em função desta ser uma paixão dos meus pais, a França certamente foi o país que mais estive depois do Brasil. Então no meu caso, a familiaridade com a língua pesou bastante e, sua similaridade com o português ajudou muito nesta rápida evolução quando morei lá por quase um ano.

No caso do espanhol, este veio por osmose! O terceiro idioma é sempre mais fácil do que o segundo (o cérebro vai pegando a “manha”) então, o espanhol para mim sempre fluiu muito bem tendo praticado sempre que possível nas bandas sul-americanas.

A língua alemã tem uma explicação mais emocional do que racional. Pois foi totalmente fruto de uma motivação pessoal. Era, obviamente, diferente de todas as outras línguas que eu havia aprendido até então e, sempre considerei uma língua linda (eu sei, gosto não se discute) e sonora (eu sei, todo mundo acha feio, mas o que vou fazer se eu acho o máximo?). E, confesso que eu tinha o sonho de ter a língua alemã em minha “jornada de idiomas”.

Bem, depois do alemão, até comprei um curso de árabe e outro de russo com CD e livrinho aqui no Brasil, mas, confesso, acabei deixando de lado, pelo menos por enquanto…

É isso aí gente!

Bjs e até a próxima viagem,

Marina.

Tendência: Intercâmbio na terceira idade!

09 de novembro de 2011 | Postado por Marina em Intercâmbio Adultos e Profissionais

A procura por intercâmbio na terceira idade vem crescendo nos últimos cinco anos. Diferentemente dos estudantes que fazem intercâmbio para aperfeiçoar o currículo, o público da terceira idade, em sua maioria, já tem uma vida profissional resolvida e o intercâmbio é feito pelo puro prazer em aprender, seja uma língua nova ou uma culinária típica do país visitado.

Alguns países que oferecem alternativa com este perfil são: Itália, Argentina, Espanha e Inglaterra. #FicaDica! 🙂

Bjs e até a próxima viagem!

Marina.

Página 22 de 28« Primeira...10...2021222324...Última »