Quer aprender outros idiomas? Saiba quais as línguas mais fáceis e mais difíceis e o porquê?!

10 de novembro de 2011 | Postado por admin em Aprendizado Linguas Estrangeiras

Quais os idiomas são mais fáceis para um brasileiro e o que torna uma língua mais  fácil ou mais difícil?  Existem duas respostas para esta pergunta: Uma racional e outra emocional:

A técnica e racional é: Aqueles que têm mais proximidade com o português.Já a psicológica ou emocional é: Aqueles que você tem mais motivação, interesse e contato.

Mas, a pergunta que não quer calar é: Porque realmente alguns idiomas parecem (e outros verdadeiramente são) tecnicamente mais difícil que outros? E, por onde começar? (Ué, pelos mais fáceis, claro!) Então, vamos à lista:

Imaginem uma pirâmide (olha como estou metódica hoje):

Na base no plano que chamaremos de 1 colocaremos as línguas que são consideradas mais fáceis (muito parecidas em termos de estrutura e vocabulário do português): Nesta base estão espanhol e italiano.

Um pouco acima teremos um plano 2 onde ficarão as línguas latinas(que tem grande similaridade com o português) OU, que temos bastante contato (Aqui ficarão francês, romeno e inglês).

No plano 3, que chamaremos de nível médio de dificuldade, temos os idiomas que não tem origem latina mas possuem alfabeto igual ao português (Aqui estão alemão, turco, polonês e finlandês).

Quase na ponta desta pirâmide teremos os idiomas considerados difíceis, pois além de ter pouca ou nenhuma palavra semelhante ao português, possui outro alfabeto ou ideogramas e sinais difíceis de entender e memorizar. Além disso, muitas destas línguas são tonais, ou seja, o significado de uma palavra muda baseado no tempo que se leva para pronunciar as vogais… Se animou? São elas: mandarim, coreano, japonês, russo, árabe e grego!

Na pontinha desta pirâmide teremos os idiomas quase impossíveis (também chamados cientificamente de “coisa de doido”  ou “difícius pra dedéus”,) razão: Some o item anterior ao fato da pronuncia demandar estalos feitos com a língua no céu da boca. Calma! Não é um clique único padrão, são nada mais nada menos do que cerca de 20 tipos de “estalinhos” feitos com a língua que vão se adicionados às palavras. Acha que desenrola?! Então seu caminho é um intercâmbio em alguns países africanos como Botsuana e cia limitada! Já estive cara a cara com uma tribo Xhosa  em Durban na África do Sul e estes estalinhos com a língua, vai por mim, não é brinquedo não!

Bem, comigo foi bem assim: No caso do inglês, assim como muitos jovens, desde pequena fui bombardeada por músicas, filmes e a boa e velha Cultura Inglesa que me fizeram aprender  o inglês e depois aperfeiçoar em alguns intercâmbios. Sabemos que o inglês, não é muito próximo “linguisticamente” do português mas, é um idioma o qual temos bastante contato, principalmente em tempos cibernéticos…

Já com o francês foi bem diferente! Minha mãe foi professora de francês e, em função desta ser uma paixão dos meus pais, a França certamente foi o país que mais estive depois do Brasil. Então no meu caso, a familiaridade com a língua pesou bastante e, sua similaridade com o português ajudou muito nesta rápida evolução quando morei lá por quase um ano.

No caso do espanhol, este veio por osmose! O terceiro idioma é sempre mais fácil do que o segundo (o cérebro vai pegando a “manha”) então, o espanhol para mim sempre fluiu muito bem tendo praticado sempre que possível nas bandas sul-americanas.

A língua alemã tem uma explicação mais emocional do que racional. Pois foi totalmente fruto de uma motivação pessoal. Era, obviamente, diferente de todas as outras línguas que eu havia aprendido até então e, sempre considerei uma língua linda (eu sei, gosto não se discute) e sonora (eu sei, todo mundo acha feio, mas o que vou fazer se eu acho o máximo?). E, confesso que eu tinha o sonho de ter a língua alemã em minha “jornada de idiomas”.

Bem, depois do alemão, até comprei um curso de árabe e outro de russo com CD e livrinho aqui no Brasil, mas, confesso, acabei deixando de lado, pelo menos por enquanto…

É isso aí gente!

Bjs e até a próxima viagem,

Marina.

  1. Legal suas dicas só tem um errinho oi nglês não é uma língua latina sim anglo saxônica do ramo germânico mas da grande família indo-europeia .Abração.


  2. Olá =) Acompanho o blog e gosto muito das postagens, especialmente essa sobre idiomas que é uma das minhas paixões. Queria saber onde posso estudar idiomas como grego ou russo em Recife, pois só acho por aqui ingles, frances, italiano-os idiomas mais basicos e simples. Até japones já fiz, mas queria mesmo aprender grego e russo =(


  3. Marina, o grego também tem um alfabeto próprio. Deveria estar no nível difícil.


  4. Oi Bruna! Tudo bem?! Que bom que gosta do Blog! fico feliz! Então, Infelizmente também não achei nada por aqui… por isso recorri ao uns cursos on-line e via livrinhos e CD! Com certeza se tivesse aqui seria bem mais fácil para a gente né?! Se achar me avisa! Bjs Marina


  5. Oi Luiz Fernando! tudo bom?! Então, neste item coloquei latinas OU que temos bastante contato (que é o caso do inglês). Obrigada pela sua mensagem! Que legal que também curte este assunto! continue acompanhando o blog! Abraço, Marina.


  6. Oi Carlos! tudo bem?! Obrigada por acompanhar o blog e pela sugestão! Grego incluído no nível difícil! Abs! Marina.


  7. kkkkk

    Adorei o comentário, sua espertinha!

    Mais uma dessas e eu me apaixono! =D

    É casada?

    Caso não, um beijo bem grandão…
    Caso sim, um beijo piquininim…


  8. Sim! Sou casada! Obrigada pelo carinho e participação aqui no Blog! 🙂


  9. De nada…

    … eita maridão sortudo!


  10. finlândes foi difícil de aprender… horas e horas de estudos e até que… Sain vihdoin puhua suomea!


  11. Muito bom a sua dica. Eu queria e ainda quero muito aprender inglês. Achava muito dificil, agora acho muito facil. Vou me matricular em um curso de inglês, e espero em pouco tempo está falando inglês. Muito obrigada! ^^


  12. Dentre outras línguas fáceis, poderíamos também incluir as línguas escandinavas continentais – dinamarquês, norueguês e sueco, por serem parecidas com o inglês em gramática. Elas são facílimas. O vocabulário lembra o inglês ou o alemão, e mais raramente, o holandês. Aliás, o holandês também seria uma língua fácil.

    Outras línguas talvez médias, seriam o malaio, indonésio, hebraico (na verdade é fácil, o mais difícil é ler, pois o alfabeto hebraico dispensa vogais). Também seriam médio o grau de dificuldade do persa (e suas variantes dari e tadik), e o hindustâni (que inclui o hindi e o urdu).

    Queridos, quanto ao grego, o alfabeto não dificulta em nada a língua grega. É um alfabeto facílimo de ler. O que torna o grau de dificuldade do grego realmente difícil é a gramática. Mas o grego tem uma estrutura parecida com as línguas românicas. Acho até que deveriam reclassificar o grego e as línguas românicas numa mesma família, que talvez se chamasse Greco-itálicas.


  13. Oi Pedro, tudo bom?! Obrigada pela sua contribuição aqui no blog! Você é da área de linguística?! Amo esse assunto! volte sempre! abs, Marina.


  14. Amei a dica!
    Já tratei de memorizar esta lista para começar da maneira correta!
    Apesar de ainda estar no Intermidied do curso de English (sendo que terminei o básico na metade do tempo determinado, por ter facilidade). No mês que vem darei início no curso de Spanish (matrícula já realizada!) e ando muito curiosa com as linguagens Asiáticas (Mandarim).
    Será que eu conseguiria fazer tres linguagens simultaneamente; no caso as de níveis “fáceis”?! Sinto um pouco de receio de estar sendo afobada demais…
    =(


  15. Sou poliglota, estudei 10 idiomas, achei o russo mais difícil devido às 6 declinações. Estudei alemão 6 anos. todas aprendí sozinho e depois fui visitar o país. recomendo estudarem romeno, aprendí fluentemente em seis meses e falava com meu amigo romeno que mora no exterior por telefone bem rapidamente e com boa fluência. Seria legal criarmos um newsgroup


  16. Sou poliglota, estudei 10 idiomas, achei o russo mais difícil devido às 6 declinações. Estudei alemão 6 anos. todas aprendí sozinho e depois fui visitar o país. recomendo estudarem romeno, aprendí fluentemente em seis meses e falava com meu amigo romeno que mora no exterior por telefone bem rapidamente e com boa fluência. Seria legal criarmos um newsgroup, que tal?


  17. Marina,
    Tenho 11 anos, faço cursos de Inglês e Espanhol, mas estou de férias e pra ocupar o tempo, queria fazer mais algumas línguas.
    Sonho em viajar o mundo inteiro (kkkkkk) e gostaria de algumas idéias de idiomas que eu poderia aprender online.


  18. como eu a compreendo marina quanto a lingua alema.
    tambem, embora nao fale alemao ( ainda) vejo nesta lingua um não sei que de atrativo ate que ja me aconteceu sonhar estar a falar alemao. claro que uma forma de a aprender e atraves de liçoes que kurt nao recrdo do apelido agora apresenta algumas liçoes gratis na net e depois de vermos alguns progressos talvez sejamos motivamos a ir mais alem- o mesmo monitor (alemao) e bastante otimista e nao para de nos motivar


  19. Para o brasileiro, a língua mais fácil de aprender é o espanhol, seguido das demais línguas latinas (em ordem crescente de dificuldade. catalão, italiano, francês e romeno). Na sequência vem o inglês, que é bastante fácil gramaticalmente e que, na verdade, eu aprendi antes das línguas latinas supracitadas (apenas porque tive a oportunidade de estudá-lo primeiro).

    Depois, seguem as demais línguas gernânicas que, em ordem crescente de dificuldade, seriam: africâner, holandês/flamengo, sueco/norueguês/dinamarquês, e alemão. Línguas eslavas são mais difíceis, especialmente aquelas escritas em alfabeto cirílico como russo ou ucraniano, mas ainda são acessáveis por serem línguas europeias com estrutura próxima ao português.

    Quaisquer outras línguas não europeias mais distantes do português são muito difíceis para brasileiros, incluindo hebraico, arábe, bahasa indonésio, filipino, swahili, hindi, etc. Japonês e mandarim (chinês) são particularmente difíceis principalmente pela escrita, vocabulário e estutura completamente diferente da língua, mas a gramática não é tão complicada.

    Em resumo, línguas latinas ou germânicas (incluindo inglês) são relativamente fáceis de aprender com algum esforço. Línguas eslavas são também possíveis de aprender, mas com um esforço um pouco maior. Línguas não europeias em geral são muito difíceis e o nível de proficiência (principalmente escrita) que um brasileiro adulto consegue atingir nelas é limitado.


  20. tambem adoro o alemao, acho lindo a sonoridade da lingua. O sotaque forte. gostaria muito de aprender. Tive uma curiosidade voce fala fluentemente todos os idiomas que vc aprendeu?


  21. Muito boa a sua explicação rs também estudo o alemão, pois acho uma língua linda, tanto na escrita quanto na fala, mas é bem isso mesmo, gosto não se descute haha quanto ao Grego, possui uma certa “facilidade” para nós que falamos português, pois há algumas palavras gregas que utilizamos em nosso dia dia, no começo ela parece ser bem difícil por causa do alfabeto. Mas o alfabeto grego é lindo, vale a pena aprender.


  22. Já tentei aprender inglês ,Espanhol e frances mas sempre me desanimo pq n consigo aprender. Alguém tem alguma dica q possa me ajuda aprender ? Agradeço!


  23. olá Marina estou querendo aprender um indioma e estou na dúvida . Polonês ou Finlandês? qual vc recomendaria?


  24. Eu tenho vontade de aprender um outro idioma. Para ser mais específico seria o inglês e o francês. Só tenho dois problemas, não posso fazer nenhum curso é sou ansioso demais. Quero aprender tudo o mais rápido possível e isso atrapalha.


  25. Parabéns pelo site!
    Muito legal mesmo!!
    Um abraço para todos!!!


  26. Olá Marina, muito legal a postagem. O inglês de fato não é uma língua românica, mas com toda a disponibilidade de materiais autênticos e a imensa necessidade de conhecimento dessa língua, o inglês torna-se uma língua mais palpável, além, é claro, das questões de nível fonético-fonológico e morfossintaxe que são de certa forma muito próximas as do português. Quanto ao italiano, que é a outra língua que eu estudo, trata-se de uma língua românica que está muito próxima em todos os níveis linguísticos. Algo que facilita muito o aprendizado de uma língua estrangeira é a exposição do aprendiz a materiais autênticos, então, a época em que vivemos é muito propícia para aprender uma língua estrangeira, já que a cultura da informação está muito presente em nossas vidas. Espero ter contribuído.


  27. Você esqueceu de falar sobre o Norueguês, que devido a influência Latina, por causa dos romanos, tem palavras muito parecidas com o português, sem contar que existem palavras parecidas com o inglês, devido a ser da mesma família de linguas


  28. Eu estudo quatro idiomas e falo 4 idiomas:
    inglês, espanhol, francês e italiano, o que eu acho fácil pra falar é o espanhol, italiano e francês e o mais difícil que eu acho é o alemão, japonês, chinês, coreano, holandês, árabe, russo, polonês, norueguês, sueco, tailandês, africâner, turco, húngaro, grego, catalão, esperanto, romeno, luxemburguês, flamengo, irlandês, islandês e outros idiomas.


  29. O alemão pra mim é irritante como o russo mais queria aprender eu amo espanhol também por ser bombardiado por novelas quis aprender mais depois q acompanhei violetta da Disney ai alimentou


  30. E eu quero aprender russo pra isso, escolhi a Preply que está me ajudando demais nessa escolha https://preply.com/pt/skype/professores-russo-para-iniciantes eu recomendo as aulas on line por Skype.


  31. realmente o Inglês não é uma língua latina, porém eu entendi o que você quis dizer, pois na língua inglesa há muitas palavras de origem latina, tanto do português, como do espanhol e como do francês, é uma língua que sofre muita influência das línguas latinas. E os países que falam Inglês, muitos deles, são cercados por países falantes de língua latina, Então apesar da língua inglesa na sua origem não ter nada a ver com a língua latina, nos dias de hoje já se tem um grande intercambio tanto de palavras do Inglês vindo para as línguas latinas, como de palavras de línguas latinas sendo incluídas no vocabulário Inglês…. A língua está sempre em evolução.


  32. Muito agradecido pelo esclarecimento ,somente agora com 65 anos estou podendo dar me o presente de melhorar minha cultural .


  33. Não existe língua mais difícil que o inglês, no tocante à pronúncia. As letras, separadamente, tem os seus sons, mas quando juntas para formar a palavra, mudam completamente e sem seguir qualquer lógica. Já o alemão, apesar da gramática bem difícil, com poucas exceções, os sons das letras permanecem nas palavras. Exemplo: Simone Biles. B (bi), I (ai), L (el), E (i), S (es). Se a pronúncia do idioma inglês seguisse a mesma lógica do português, do alemão e do russo, a pronúncia do sobrenome da atleta seria BAILIS. Contudo pronunciam é um grunhido (haja grunhido, pois se não fizer malabarismo na língua e cordas vocais, eles não entendem) parecido BAIO.


  34. o ingles não é de origem latina e sim germânica, apesar da forte influencia posterior do latim e frances sobre o mesmo. agora, romeno é muito fácil e está bem próximo do italiano. Dá pra aprender bem rapidamente. falo um pouco de grego e também acho babinha. Grego moderno, claro. A escrita, só romanizada mesmo, mas a parte falada é bem simples e próxima dos nossos fonemas.


  35. Húngaro ficaria aonde aí? dizem que é uma língua que até o diabo respeita, somente 48 variações verbais.


  36. Achei interesssnte, mas um acrescento, ter um alfabeto diferente nem sempre faz com que a língua se torne tão difícil, é claro que no caso do mandarim, árabe, etc, isso é válido, mas no caso do russo ou grego, na verdade o alfabeto facilita a compreensão fonética da língua, eu falo russo por exemplo, não foi(e segue sendo) nada fácil, porém estudo finlandês, e o considero mais difícil, assim com acredito que também seja o húngaro, e islandês, partilha o mesmo alfabeto, mas possui muitos problemas piores


  37. O russo tem seis casos gramaticais, já o finlandês – 15 casos. Gramática nada fácil


  38. Muito bom encontrar seu Site…
    Eu fiz quase que o caminho contrário ao seu. O Japonês vei primeiro ao lado do Inglês. Tentei o Chinês e o Arabe e desisti. Chines é muito tonal e Árabe (muitas variações SA, MSA, EA…). Logo depois, o Alemão, com alguns anos até o domínio e então fui para o Francês e o Italiano. Tenho grande dificuldade com a tal “similaridade” (ao português), por isso, apesar de ter estudado o Espanhol e entender perfeitamente, não tenho fluência ao falar (fico inseguro sempre). Essa minha deficiência está se confirmando agora no estudo do Holandês e do Sueco devido à proximidade com o Alemão.
    Estou aceitando dicas… Bis Bald.


  39. esta errada, inglês é a mais facil de todas mesmo não sendo de origem latina em seguida vem o espanhol, a gramática inglesa é extremamente simple se compararmos com a do espanhol ou a do português devido a isso o inglês é a mais facil alem de estarmos em contato com o inglês o tempo todo, caso que raramente ocorre com o espanhol.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *